Séries

Os Resistentes II

Direção: Paula Gaitán

Descrição: Apresenta um panorama atual de seis grandes artistas em atividade e a relação de suas obras com a arte, a política, o pensamento e a ideologia, configurando suas formas de vida e participação no mundo. Os Resistentes são homens e mulheres que marcaram e marcam a história da humanidade, tanto pelas suas obras ou atuações artísticas quanto pelo gênio das suas personalidades. Inquietos, eles irradiam uma força transbordante de vida inteligente e sensível. Os Resistentes também podem pertencer a diferentes gerações, como propomos nesta nova temporada. Nossa proposta é criar esse diálogo entre gerações de artistas e pensadores vivos, que de alguma forma nos levam a reflexões sobre a questão racial, da discussão sobre as identidades no Brasil, que tem sido cada vez mais presente no debate público, tanto na arte quanto na política. A série consiste em seis episódios, com entrevistas e performances de seis artistas-pensadores em atividade nos diversos campos da arte: a dança, a música, as artes visuais e performativas, o cinema e o audiovisual, e a literatura. Os personagens da segunda temporada da série são: Arrigo Barnabé, Sonia Guajajara, Jean Claude Bernardet, Michelle Musa Mattiuzzi, Negro Léo e Alice Ruiz.

Classificação Etária Indicativa: 14 anos

Ano de Produção: 2020

País de Origem: Brasil

Classificação Ancine: 01 - Obra Não Publicitária Brasileira, Constituinte de espaço qualificado e Independente.

Dias/Horários: Sexta às 09h30 / Domingo às 12h00 / Quinta às 14h00 / Terça às 14h30 / Sábado às 19h00 / Quarta às 20h00 / Segunda às 21h30 / Sábado às 23h00

Detalhes Episódio (23/09/2021 - 14:00) Os Resistentes II Alice Ruiz
Duração: 00:26:00
Sinopse: Poeta e haikaista, Alice Ruiz nasceu em Curitiba, PR, em 22 de janeiro de 1946. Começou a escrever contos com 9 anos de idade, e versos aos 16. Aos 26 anos publicou pela primeira vez seus poemas em revistas e jornais culturais. Lançou seu primeiro livro aos 34 anos. Compõe letras desde os 26 anos - tem diversas canções gravadas por parceiros e intérpretes. Lançou, em 2005, seu primeiro CD, o Paralelas, em parceria com Alzira Espíndola, pela Duncan Discos, com as participações especialíssimas de Zélia Duncan e Arnaldo Antunes. Junto de outros jovens escritores, participa do grupo de vanguarda Áporo (1969), opondo-se ao provincianismo do meio cultural paranaense. Na mesma época, inicia estudos sobre o haikai, forma breve da poesia japonesa, determinante para sua obra. Em 1971, integra o grupo musical A Chave, iniciando a carreira de letrista de música popular. Publica seu primeiro livro, Navalhanaliga, em 1980. Seu primeiro trabalho de tradução de haicais é lançado em 1981, o livro Dz Haiku: Chine-Jo, Chiyo-Ni, Shisei-Jo, Shokyi-Ni e Shofu-Ni. Em parceria com Leminski, lança, em 1985, Hai Tropikai. Nesse mesmo ano, participa das mostras Arte Pau-Brasil e Transcriar - Poemas em Vídeo Texto, na cidade de São Paulo. Em 1987, assume o posto de diretora de criação na Agência Umuarama, e separa-se de Leminski. Muda-se para São Paulo em 1989, quando também recebe o Prêmio Jabuti pelo livro Vice Versos. Em 1990, participa do projeto Poesia em Out-Door, 100 Anos da Av. Paulista. Organiza com a filha Áurea Leminski, em 1994, O Ex-Estranho, obra póstuma de Paulo Leminski. Mantém a produção de letrista, em parceria com diversos músicos, com destaque para as composições realizadas ao lado de Itamar Assumpção (1949 - 2003). Em 2005, lança o CD Paralelas, com a cantora Alzira Espíndola (1957). Reúne, em 2008, seus primeiros livros, de Navalhanaliga até Vice Versos, no volume 2 em 1. Tem poemas traduzidos e publicados em antologias nos Estados Unidos, Bélgica, México, Argentina, Espanha e Irlanda, tendo sido também convidada como palestrante na Bienal de Lenguas da América no México e na Europalia Brasil em Bruxelas.