Séries

Sete Vidas em 7 Cordas

Direção: Pablo Francischelli

Descrição: Sete Vidas em 7 Cordas se propõem a traçar um painel amplo e variado, a um só tempo musical e humano, dos usos, costumes e lendas que cercam este ícone da musicalidade brasileira através da vida e da obra daqueles que fizeram fama dedilhando as suas cordas. Retratando instrumentistas de diferentes gerações - com idades variando dos 19 aos 70 anos - e de diversas regiões brasileiras, Sete Vidas em 7 Cordas revisita o passado retratando mestres que consolidaram a tradição do instrumento e apresenta instrumentistas que, ao longo do tempo, foram modernizando a sua linguagem e ampliando suas possibilidades musicais para além dos limites de gênero e convenções.

Classificação Etária Indicativa: 10 anos

Ano de Produção: 2015

País de Origem: Brasil

Classificação Ancine: 01 - Obra Não Publicitária Brasileira, Constituinte de espaço qualificado e Independente.

Dias/Horários: Quinta às 11h30

Detalhes Episódio (03/02/2022 - 11:30) Sete Vidas em 7 Cordas Arthur Bonilla (RS)
Duração: 00:51:47
Sinopse: Oriundo de uma família de origem uruguaia, Arthur Bonilla foi criado na fazenda de sua família. Desde cedo tomava parte nas atividades regulares da vida campeira, tratando o gado, ordenhando o leite, adestrando cavalos. Porém, o violão era uma outra tradição presente na história da família e ele acabou trocando o trabalho no campo pela vida de artista. Ouvindo os discos de Raphael Rabello, ficava intrigado com o som grave que ele tirava do violão. Foi o amigo de infância Yamandu quem o apresentou ao instrumento. Os dois se conheceram nos bastidores de festivais de música nativista e vem traçando uma trajetória paralela que por vezes se cruza. Os dois demonstram grande conhecimento sobre a música dos pampas, de sotaque castelhano, muito popular na Argentina, no Uruguai e no próprio Rio Grande do Sul. Neste episódio, os dois empreendem uma viagem às terras da família Bonilla em Cruz Alta, onde encontram o velho Gregório - pai de Bonilla - em sua rotina e hábitos da vida rural. No ambiente boemio de Porto Alegre, Yamandu e Bonilla se juntam a grandes nomes da música gauchesca como Rentato Borghetti, Luiz Carlos Borges e João de Almeida Vargas para uma roda de música "gaudéria" - cujo clima, afinal de contas, não é tão diferente assim das rodas de samba e choro, a não ser pelo sotaque, o repertório e a instrumentação. Arthur Bonilla faleceu em 29 de maio de 2015, em um acidente de carro, antes de assistir ao programa em que é o protagonista. De acordo com seu amigo e parceiro Yamandu, o episódio de "Sete Vidas em 7 Cordas" dedicado à Bonilla é o registro definitivo da carreira do violonista.